Aprenda a reciclar, reduzir e reutilizar

 

Com três, na verdade: reduzir, reciclar e reutilizar. A regrinha é simples e o intuito é diminuir o volume de lixo descartado e aumentar o tempo de vida útil dos aterros sanitários.

 

Se você acha que um papel de bala jogado na rua não fará a menor diferença, pense por outro lado. O mundo possui quase 6,5 bilhões de habitantes, dentre eles cerca de 192 milhões estão no Brasil. Se cada um jogar por dia 3 papéis de bala no chão, são 576 milhões de papeizinhos entupindo os bueiros. Você ainda acha que não faz diferença? Agora leve esse mesmo cálculo para coisas maiores, como latinhas de refrigerantes e sacolas plásticas. Não parece, mas se as ruas encherem enquanto chove, as bocas de lobo entupirem e os rios transbordarem não é culpa apenas da natureza. Para Romildo da Silva, de São Paulo, separar o lixo é, acima de tudo, uma forma de ser cidadão. Sem alternativas com postos de reciclagem perto de casa, o torneiro mecânico decidiu ajudar uma catadora que passa sempre por lá. Os produtos que ela leva são escolhidos a dedo: revistas, papéis, jornais, ferro, plásticos e caixas de papelão. "São produtos que sabemos que a catadora vai levar para reciclar. Também não adianta dar o que ela não pode levar para a reciclagem, porque, se não serve, ela vai jogar no meio da rua, aí é bem pior", admite. Para Romildo, o problema do consumo (e consequente descarte excessivo de lixo) é culpa da própria indústria. "A facilidade que temos para comprar produtos é um absurdo. Hoje, compramos um boneco em uma loja e ele vem com a embalagem do produto, a embalagem da loja, o papel de presente. Não precisa de tudo isso, é completamente desnecessário", analisa.

 

Se o consumo não pode ser diminuído, que pelo menos o lixo produzido possa ser reduzido. "Nós não deveríamos ter lixo! Se todo mundo coletasse, fizesse sua parte - que não custa nada - nós não teríamos lixo. Eu tento fazer minha parte", afirma o pai de família. "Se tivéssemos uma coleta em larga escala ia ser muito bom, bem útil. Os aterros iam durar mais tempo. Se trabalharmos nisso, talvez tenhamos um mundo um pouquinho melhor".

 

Primeiro passo:

Você separa o lixo, mas não sabe onde colocá-lo? Essa realidade não é apenas sua. A coleta seletiva é um problema estrutural e, sem ela, a reciclagem tão festejada não se concretiza. Apenas 327 municípios no país possuem algum sistema público de coleta. Isso equivale a apenas 6% do total! O jeito então é recorrer a outros meios, que não à prefeitura. Por incrível que pareça, existe um número considerável de lugares que recolhem lixos, sem contar os catadores autônomos que passam de rua em rua, revirando as sacolas em busca de algo interessante para ser colocado nos carrinhos.

 

Cooperadoras, por exemplo, se acionadas, podem se comprometer a passar nas casas recolhendo os reciclados. O Compromisso Empresarial para Reciclagem - Cempre - possui uma lista de lugares para se levar os materiais para reciclagem (www.cempre.org.br).

 

Saiba mais sobre o lixo Você já se perguntou quanto tempo demora para que uma garrafa jogada ao mar ou uma sacolinha plástica de mercado se decomponha? Aí segue uma listinha para que suas dúvidas desapareçam.

 

O vidro é um dos problemas maiores, porque não possui um tempo determinado para deteriorar. Apenas uma garrafa pode levar séculos para sumir de vez. Reciclando esse tipo de material, você ajuda as fábricas a diminuir a emissão de gases poluentes na atmosfera.

 

Além disso, a reciclagem de um quilo de caquinhos de vidro gera um quilo de vidro novo. Isso significa que são economizados 1,3 quilos de minérios como areia, calcário, feldspato e barrilha, utilizados na produção do vidro novo. Plásticos e embalagens de leite levam cerca de 100 anos para de decomporem. Reciclando saquinhos de supermercado, você estará contribuindo para um menor consumo de petróleo - um bem não-renovável. Para a versão reciclada do material, somente 10% do petróleo exigido para os saquinhos novos é que é utilizado. Nada mal, não?

 

Latinhas de refrigerante demoram de 200 a 500 anos para de decompor. Saiba que, para cada quilo de alumínio são poupados 5 quilos de bauxita (minério com que se produz o alumínio). Para se ter uma ideia, cada latinha reciclada economiza energia para manter uma televisão ligada continuamente por 3 horas.

 

Mesmo tendo um tempo de vida curto (de 3 a 6 meses), todo mundo sabe que papel vem das árvores e que, se reciclado, ajuda a diminuir o desmatamento. O que talvez você não tenha ideia é que uma tonelada de papel reciclado chega a economizar 20 mil litros de água e 1.200 litros de óleo combustível.

 

Cada latinha de aço demora em média 10 anos para se deteriorar, mas, se reciclado, esse material faz bem mais pelo meio ambiente. Para cada tonelada reciclada, 110 mil toneladas de minério de ferro são preservadas.

 

Outros materiais que são interessantes saber uma média do tempo de desgaste são: pneus (600 anos), garrafas PET (mais de 100 anos), isopor (8 anos), chicletes (5 anos) e bituca de cigarro (20 meses).

 

O que pode ser reciclado? Papéis diversos, como folhas de caderno e bloquinhos de anotações, papelão, caixas em geral, jornais, revistas e jornais, livros, listas telefônicas, papel cartão e cartolina. No quesito plástico, a coleta seletiva aceita saquinhos plásticos, disquetes, CDs, embalagens de produtos de limpeza, garrafas PET.

 

Vidros também podem ser reciclados. É só separar garrafas, frascos e potes em geral, além de copos. Não se esqueça dos metais também. Molas de camas e sofás podem ser separados e levados à reciclagem, além de latinhas de alumínio, tampinhas de garrafa e embalagens de metal em geral, como latinhas de azeite e de fermento em pó químico.

 

Caixinhas de TetraPak - as de leite e sucos, que muita gente acha que não são recicláveis - também podem ir para a coleta seletiva. Existe hoje uma tecnologia capaz de separar as 6 camadas que compõem a embalagem. Através do site http://www.rotadareciclagem.com.br/ você pode digitar o seu endereço e descobrir o local mais próximo - e adequado - para levar a suas caixinhas.

 

Óleo de cozinha também serve de base para fazer sabão e biodiesel, portanto, também pode ser reciclado. Empresas como os Supermercados Sonda e a rede Pão de Açúcar, por exemplo, estabeleceram pontos de coleta para esse tipo de material, basta colocar o óleo dentro de uma garrafa pet e levá-lo ao ponto de coleta. Pronto, viu como é fácil?

 

Lixo orgânico também pode ir para reciclagem, através de um processo chamado de compostagem. Cascas de frutas e ovos, por exemplo, dão excelentes adubos que podem ser utilizados na agricultura.

 

Lembre-se: sempre tudo que pode ser lavado deve ser entregue limpinho. Fazendo a sua parte e mostrando aos outros como fazer, a começar pela nossa própria família, a tendência é que a ação se espalhe. Quanto mais gente contribuindo, melhor.

fonte:expressomt

publicado por adm às 17:25 | comentar | favorito
tags: