Ecodesign de motores eléctricos pode poupar o equivalente a três anos de consumo

A entrada em vigor da nova directiva comunitária de concepção ecológica dos motores eléctricos e os consequentes níveis de eficiência energética podem gerar uma poupança equivalente a três anos de consumo de electricidade em Portugal. Este é o principal resultado de um estudo técnico, económico e ambiental, relativo ao EcoDesign de motores eléctricos e desenvolvido pelo Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), que serviu de base à directiva comunitária que vai entrar em vigor no dia 16.

«O potencial de poupança estimado em 2020 é de 135 TWh [Terawatts/hora] de electricidade anuais (quase três vezes o consumo anual em Portugal), o que corresponde a uma redução nas emissões de CO2 de cerca de 60 milhões de toneladas», afirmou João Fong, um dos investigadores do ISR que integrou o grupo de trabalho. «O estudo avaliou o impacto ambiental ao longo do ciclo de vida dos motores eléctricos, estimou o potencial de poupança e propôs valores mínimos de eficiência para os novos equipamentos», refere uma nota de imprensa da UC.

«A nova legislação europeia é decisiva porque os motores eléctricos usam 75 por cento da electricidade consumida na indústria», sublinhou o investigador, realçando que a progressiva substituição por tecnologias mais eficientes – apesar de terem um custo inicial mais elevado - resulta em economias consideráveis de energia ao longo do ciclo de vida do equipamento. Em declarações à agência Lusa, João Fong explicou que as estimativas projectadas para 2020 apontam para uma altura em que sejam já diminutos os motores da anterior geração em funcionamento.

Além da estimativa de economia de 135 TWh em 2020, os investigadores concluem que nesse ano se traduzirá numa poupança de 333 TWh o impacto das medidas da Directiva Europeia de Ecodesign. As televisões (43 TWh), iluminação pública e terciária (38 TWh) iluminação residencial (37 TWh) e o standby dos equipamentos (35 TWh) são outros domínios onde a eficiência energética mais se fará sentir.

A investigação elaborada pelo Instituto de Sistemas e Robótica da UC teve a colaboração do Fraunhofer Institute (Alemanha), da AEA Technologies (Reino Unido) e do Comité Europeu de Fabricantes de Máquinas Eléctricas e Electrónica de Potência.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:04 | comentar | favorito