Governo defende mais eficiência no mercado das energias renováveis

O secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, disse hoje que o Governo pretende tornar o mercado das energias renováveis mais eficiente e com isso poupar dinheiro na fatura paga pelos contribuintes.

Em Miranda do Corvo, onde presidiu à abertura do seminário "O mercado de calor e a biomassa. Vetor de desenvolvimento económico", organizado pelo Centro da Biomassa para a Energia (CBE), o governante salientou que a política do executivo é "partilhar melhor os custos e os benefícios das energias renováveis".

"As metas do Governo passam por cumprir as percentagens de energias renováveis com que nos comprometemos no plano que vai até 2020, fazendo-o da forma mais custo/eficiência possível. Em vez de se de atingir um objetivo gastando 100, pretendemos que se atinja o mesmo objetivo gastando 80 ou 70, uma vez que tecnicamente já é possível, e com isso poupar dinheiro na fatura dos consumidores", sublinhou.

Segundo Artur Trindade, as medidas do Governo já evitaram que o custo da eletricidade aumentasse "apenas" 2,8%, em vez dos 11% que chegaram a estar previstos.

"São tivéssemos feito correções, das duas uma: ou o défice tarifário disparava, o que não seria possível porque o sistema financeiro não o absorvia, ou o consumidor teria de suportar um aumento acima de dois dígitos", disse o secretário do Estado da Energia.

O governante afastou, no entanto, qualquer possibilidade de a energia elétrica sofrer qualquer redução nos próximos anos, garantindo que os aumentos vão situar-se ao nível da inflação, "em vez do aumento da fatura de 50% que eram as condições iniciais quando se chegou ao Governo".

"Mas para fazer isso é muito difícil, porque aquilo que estava em jogo era um crescimento de dois dígitos e passá-lo para o nível da inflação é muito difícil. É isso que temos de fazer e acreditamos que a melhor forma é dar maior oportunidade ao mercado de participar também na determinação da quantidade de energias renováveis e do seu custo", frisou.

Sobre a poupança da EDP de 6,3 mil milhões na importação de combustíveis fósseis, entre 2005 e 2012, através da capacidade instalada de energias renováveis, o secretário de Estado da Energia questionou: "quem é que ficou com essa poupança, para onde foi esse dinheiro".

Artur Trindade reiterou que a intenção do Governo é manter os mesmos objetivos físicos de percentagens das renováveis, nalguns casos ir até mais além, mas tentar fazê-lo poupando dinheiro ao consumidor, para que ele fique com uma parte desses 6,3 milhões de euros que foram poupados, dos quais ainda não viram nada.

"Com as nossas medidas, os consumidores vão beneficiar de facto de alguma poupança. Existe um saldo negativo do passado que tem um peso substancial na fatura e as reduções que nós fizemos não conseguem reduzir ainda a fatura, apenas conseguem evitar que ela aumente", referiu.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:04 | comentar | favorito