Energias renováveis nos Açores vão crescer de 30 para 57% em quatro anos

A taxa de penetração das renováveis na energia elétrica dos Açores vai passar dos atuais 30 para 57 por cento em 2017, revelou à Lusa o diretor do planeamento e investimento da Empresa de Eletricidade dos Açores (EDA).

António Furtado explicou que esta meta será materializada através do reforço da capacidade instalada do projeto geotérmico de São Miguel, no Pico Vermelho, e da central piloto geotérmica que vai surgir na Terceira.

"Vamos ampliar a central geotérmica do Pico Vermelho, na ilha de São Miguel, em cerca de 5 megawatts e continuar a prospeção do projeto geotérmico da ilha Terceira, numa primeira fase, para tentar obter 3 megawatts e depois os 7 megawatts, para se totalizar o valor que normalmente viabiliza um investimento desta ordem de grandeza, que é os 10 megawatts", especificou.

Em termos de valores, apontou que a ampliação da central geotérmica do Pico Vermelho contempla um investimento de 19 milhões de euros e o projeto da ilha Terceira 30 milhões de euros.

A central geotérmica do Pico Vermelho vai potenciar um crescimento de energia de 6,25 por cento na produção total da ilha de São Miguel.

No caso do projeto geotérmico da Terceira, os 10 megawatts previstos gerarão um acréscimo na produção necessária da ilha de 38 por cento.

António Furtado destacou que atualmente existe uma potência geotérmica instalada em São Miguel de 23 megawatts que, a par dos dois investimentos que vão ser realizados, irá contribuir para um incremento da potência instalada dos Açores de cerca de 38 megawatts.

"Atualmente, em São Miguel, andamos com um grau de penetração de energia geotérmica de 47 por cento, enquanto nos Açores, no contexto global das energias renováveis, o valor é de 30 por cento", referiu.

Para além da geotermia, a EDA explora energias alternativas como a eólica e hídrica, não havendo "nesta fase" margem para crescimento da primeira, de acordo com David Estrela, responsável pela EEG, empresa do grupo da elétrica açoriana.

O plano de investimentos da energia eólica, que teve início em 2012, vai ficar concretizado ainda este ano, ficando os parques existentes no "limite" da sua capacidade de utilização, afirmou.

David Estrela revelou que o projeto de criação de uma central hídrica reversível na lagoa das Furnas, em São Miguel, cujo estudo de impacto ambiental deverá arrancar em breve, poderá gerar outros investimentos idênticos em outras ilhas dos Açores.

Em termos de produção, em 2012 a energia hídrica representava quatro por cento do total dos Açores e a eólica oito por cento, enquanto a geotermia assumia 17 por cento.

De acordo com o sítio www.eurelectric.org, no conjunto das regiões ultraperiféricas europeias, os Açores e a ilha de Reunião tinham em 2011 as maiores taxas de penetração de energias renováveis, à frente da Madeira, Canárias, Guadalupe e Martinica.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 00:26 | comentar | favorito
tags: