11
Jan 15

EDP promove produção de electricidade a partir de 30 euros por mês

Empresa avança com solução de auto-consumo de energia para as famílias, com recurso a painéis fotovoltaicos.

Quem quiser produzir a sua própria electricidade, à luz das novas regras sobre auto-consumo, a EDP Comercial acaba de lançar uma proposta a partir de 30 euros por mês.

Trata-se de uma solução chave-na-mão que inclui painéis fotovoltaicos e a respectiva instalação, mediante a cobrança na factura da electricidade de 24 mensalidades, sem entrada, explica o presidente da EDP Comercial, Miguel Stilwell, que elegeu esta como uma das áreas prioritárias de crescimento da empresa durante o corrente ano.

A descida do preço unitário dos painéis fotovoltaicos, actualmente em torno dos 720 euros, aliada ao novo enquadramento legislativo justificam esta aposta. O gestor esclarece ainda que o número de painéis solares será sempre ajustado às necessidades de cada cliente, havendo um simulador que estima a solução óptima de acordo com o perfil de consumo de energia e produção.

A redução típica da factura eléctrica deverá situar-se, de acordo com a mesma fonte, entre 15% a 30%, prevendo-se que a amortização do investimento se processe num horizonte de cinco a sete anos.
A EDP tem já um acordo com vários fornecedores de equipamentos fotovoltaicos e de prestação de serviços, duas vertentes onde espera recuperar grande parte da margem que irá perder com a venda directa de electricidade aos seus clientes.
Com o novo diploma sobre auto-consumo, as famílias privilegiam assim a produção de electricidade para consumo próprio, em detrimento da injecção na rede de distribuição, que passa a ser uma opção complementar.

A forçar esta opção está o preço da energia vendida à rede que será 10% inferior ao do valor do mercado, o que levará a que cada consumidor redimensione os painéis fotovoltaicos para as reais necessidades de consumo.
O objectivo da medida é evitar o agravamento do défice tarifário, através da subsidiação das tarifas.

Segundo as directrizes do novo Decreto-Lei sobre auto-consumo, a potência da unidade de produção de electricidade não pode ser superior a duas vezes a potência da instalação.

 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 19:14 | comentar | favorito
22
Abr 14

EDP Renováveis aumenta produção de eletricidade em 10% até março

A EDP Renováveis (EDPR) aumentou em 10% a produção de eletricidade no primeiro trimestre de 2014 em relação ao período homólogo, um crescimento que reflete o aumento da capacidade instalada e da produção eólica, anunciou esta terça-feira a empresa.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDPR informou que até março produziu 6,1 Terawatts-hora (TWh) de energia limpa, um aumento de 10% face ao período homólogo, que se deveu essencialmente à atividade na Europa.

 

"As operações na Europa foram o principal motor de crescimento da produção de eletricidade, ao registar um aumento de 13%, representando 51% da produção do período", adianta a subsidiária do grupo EDP.

Na América do Norte, a EDPR aumentou a sua produção em 8% face ao período homólogo, atingindo os 2,9 TWh. Em contrapartida, a produção no Brasil decresceu 5% devido ao menor fator de utilização.

Nos três primeiros meses do ano, a empresa liderada por Manso Neto alcançou um fator de utilização (índice de produção média) de 38%, valor que é justificado pela "elevada qualidade dos parques eólicos" e pelo "forte recurso eólico do período".

Em março, a EDPR geria uma carteira de ativos de 8,6 MW em dez países, dos quais 7,8 GW consolidados integralmente e 817 MW consolidados pelo método de equivalência patrimonial.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:49 | comentar | favorito
14
Out 13

EDP Renováveis vende 49% de parque eólico em França

Valor de 100% do parque está estimado em 126 milhões de euros.

A EDP Renováveis vendeu 49% de um portefólio de parques eólicos com França com 100 'megawatts' (MW) de capacidade a duas subsidiárias do grupo suíço Axpo Group.

A venda inclui uma participação accionista representativa de 49% do capital e respectivos empréstimos obrigacionistas a Axpo Power AG e à Celtralschweizerische Kraftwerke, segundo o comunicado enviado à CMVM.

Os dois parques beneficiam de uma remuneração em regime de 'feed in tariff'. "Considerando o preço da transacção, o Enterprise Value (EV) implícito para 100% dos activos ascende a 126 milhões de euros", segundo o comunicado.

A EDP Renováveis já completou quatro transacções de activos (Borealis, CTG, Fiera Axium e Axpo), alcançando um total de 620 milhões de euros com a venda de participações minoritárias em parques eólicos em operação.

Esta estratégia é um dos objectivos centrais da EDP Renováveis, para cristalizar valor e investir em no desenvolvimento de projectos de valor acrescentado, conclui o comunicado.

As acções da EDP Renováveis desciam 0,57% para 3,82 euros.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 23:21 | comentar | favorito
06
Out 13

EDP Renováveis fecha acordo para projecto de 100 MW nos EUA

A eólica portuguesa assinou um contrato de venda de energia eléctrica na Califórnia para os próximos 20 anos. Instalação está prevista para 2015.

A EDP Renováveis fechou um contrato de venda de 100 mega watts (MW) de energia eléctrica (CAE) nos Estados Unidos da América (EUA), segundo comunicou a empresa em comunicado publicado junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

O projecto de energia eólica Rising Tree South tem uma duração e 20 anos e estará localizado na Califórnia, com instalação prevista para 2015, segundo o documento.

 

Este projecto vem acrescer aos investimentos previstos que irão gerar 730 MW, a partir de 2014, acordados desde o início do ano. A cotada conseguiu ainda fechar acordos de geração de outros 250 MW para serem produzidos em projectos já em exploração, refere a cotada. 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e

publicado por adm às 15:50 | comentar | favorito
19
Jul 13

EDP Renováveis assina contrato de venda de energia de parque com 100 MW nos EUA

Projecto eólico Arbuckle Mountain, com uma capacidade de 100 MW, no estado de Oklahoma, deverá estar em funcionamento em 2015.

A EDP Renováveis anunciou esta sexta-feira que assinou mais um contrato para venda de energia nos Estados Unidos.

 

Desta vez o contrato foi celebrado com a Lincoln Electric System e tem a duração de 20 anos. Consiste na venda da produção do projecto eólico Arbuckle Mountain, com uma capacidade de 100 MW, no estado de Oklahoma, que deverá estar em funcionamento em 2015.

 

“Com este novo acordo, a EDPR aumenta para 300 MW os projectos com PPA já contratados a serem instalados em 2014-15”, refere um comunicado da empresa liderada por Manso Neto, adiantando que “continua a executar um modelo de negócio flexível e a ajustar o crescimento para os mercados mais atractivos”.

 

Segundo a EDP Renováveis, nos EUA a extensão dos PTC (Production Tax Credits) em Janeiro de 2013 “permitiu um ambiente mais favorável para o desenvolvimento de novos projectos de energia eólica criando deste modo novas oportunidades de crescimento” para a empresa.

fonte.:http://www.jornaldenegocios.pt/e

publicado por adm às 23:02 | comentar | favorito
10
Jun 13

EDP Renováveis assina contrato para venda de energia com eléctrica de Indiana

Contrato engloba a energia produzida pelo projecto eólico Headwaters com uma capacidade de 200 MW. BPI considera que acordo tem impacto positivo na EDP Renováveis.

A EDP Renováveis anunciou esta segunda-feira que celebrou um contrato, com duração de 20 anos, para a venda de energia com a Indiana Michigan Power Company, uma subsidiária da American Electric Power.

 

De acordo com um comunicado da empresa liderada por Manso Neto, este contrato “engloba a energia produzida pelo projecto eólico Headwaters com uma capacidade de 200 MW no estado de Indiana, nos EUA, com data prevista de instalação em 2014”.

 

A EDP Renováveis tem celebrado vários contratos deste tipo com eléctricas norte-americanas, que garante a venda da energia que a companhia portuguesa produz em vários parques eólicos nos Estados Unidos.

 

“Nos EUA, a extensão dos PTC (Production Tax Credits) em Janeiro de 2013 permitiu um ambiente mais favorável para o desenvolvimento de novos projectos de energia eólica e para a celebração de novos contractos CAE de longo prazo criando deste modo novas oportunidades de crescimento para a EDPR”, acrescenta a EDP Renováveis.

 

O BPI Equity Research classifica esta notícia como “positiva” para a EDP Renováveis, pois permite à empresa “continuar a crescer no competitivo mercado norte-americano com preços garantidos”.

 

Os analistas do banco destacam que o preço médio dos contratos celebrados pela EDP Renováveis, no primeiro trimestre, foi de 53,9 dólares por MWh, acima do preço de mercado de 30,1 dólares, no mesmo período.

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e
publicado por adm às 22:22 | comentar | favorito
03
Set 12

EDP Renováveis investe 4 milhões por ano após acordo com Governo para eólicas

A EDP Renováveis anunciou hoje que irá investir entre 3,6 e 4 milhões de euros por ano até 2020, um montante que resulta do acordo com o Governo para a extensão do período remuneratório aos produtores de energia eólica.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a subsidiária do grupo EDP espera "efetuar um investimento anual entre 3,6 milhões a 4,0 milhões de euros durante o período 2013-2020, permitindo à companhia alcançar uma maior visibilidade remuneratória de longo prazo para os seus ativos em Portugal".

Segundo a empresa, o acordo permite que os produtores eólicos possam "efetuar um investimento voluntário para obterem uma maior visibilidade remuneratória através da aquisição de um novo esquema tarifário para o período após os atuais 15 anos definidos por lei", sendo que "o valor total de investimento será utilizado para reduzir os custos gerais do sistema elétrico português".

fonte:http://www.destak.pt/

publicado por adm às 13:32 | comentar | favorito
11
Jul 12

EDP Renováveis aumenta produção eólica em 13%

A EDP Renováveis (EDPR) produziu 10 Terawatts-hora (TWh) de energia eólica no primeiro semestre de 2012, um aumento de 13% em relação ao período homólogo, impulsionado sobretudo pelo crescimento da produção na Europa.

No comunicado sobre os dados operacionais até junho, a EDPR diz que que «o crescimento na produção de eletricidade reflete o equilíbrio da carteira de ativos da EDPR», explicando que a produção na Europa aumentou 15% e nos EUA em 10% face ao período homólogo de 2011.

«A plataforma Europeia da EDPR constituiu o principal motor de crescimento ao registar um aumento de 15% na produção para 4,2 TWh, um crescimento sustentado pelo aumento de produção da Europa Central e de Leste», lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A produção de eletricidade em Portugal cresceu um por cento até junho e, em Espanha, a produção subiu 11%, em resultado do forte recurso eólico no segundo trimestre.

Nos EUA, a produção de eletricidade subiu 10% no primeiro semestre, suportado pelo aumento da capacidade instalada e pelo recurso eólico já registado nos primeiros três meses do ano.

No Brasil, a produção da EDPR aumentou três vezes para 93 GWh no seguimento da entrada em operação de 70 MW em maio de 2011.

No semestre, a EDPR alcançou um fator de utilização de 32 por cento, realçando que é «um valor de destaque na indústria», que «evidencia a elevada qualidade do seus parques eólicos e capturando os benefícios de uma carteira de ativos diversificada».

Em junho, a empresa liderada por Manso Neto geria uma carteira de activos de 7,5 GW em oito países, dos quais 7,2 GW consolidados integralmente e 332 MW no âmbito do consórcio Eólicas de Portugal.

Na mesma altura, a EDPR tinha 515 MW em fase de construção dando total visibilidade à capacidade esperada a ser instalada durante 2012 (500 MW), dos quais 299MW na Europa e 215MW nos Estados Unidos, onde se encontra em construção o parque eólico Marble River.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt

publicado por adm às 22:03 | comentar | favorito
09
Mai 12

Lucro da EDP Renováveis bate estimativas

O lucro líquido da EDP Renováveis cresceu 26% no primeiro trimestre de 2012, acima das previsões dos analistas.

A EDP Renováveis terminou o primeiro trimestre de 2012 com lucros de 62 milhões de euros, uma subida de 26% face ao período homólogo. Os analistas sondados pela agência Reuters apontavam para um resultado de 54 milhões de euros.

O EBITDA cresce 20% para 263 milhões de euros, também acima das estimativas da poll de analistas, que esperavam um valor de 243 milhões de euros.A empresa referiu que o seu lucro cresceu "reflectindo maioritariamente o desempenho recorrente ao nível operacional" e "beneficiaram da extensão da vida útil dos projectos para 25 anos, embora parcialmente mitigados pela introdução da contabilização de impostos diferidos nos EUA."

A Renováveis, quarta eólica mundial com capacidade instalada, anunciou também que aumentou a sua produção de eletricidade em 18%, dado o crescimento da capacidade instalada ao longo dos últimos 12 meses e ao crescimento da utilização.

Ontem, a empresa informou em comunicado enviado à CMVM que Ana Maria Fernandes, líder da EDP Brasil, renunciou ao cargo de membro do Conselho de Administração da EDP Renováveis "em face das novas responsabilidades assumidas no seio da EDP -Energias de Portugal, S.A.".

Na primeira reacção no mercado, as acções da Renováveis mantinham-se inalteradas nos 3,43 euros euros.

fonte:http://economico.sapo.pt/no

publicado por adm às 08:22 | comentar | favorito
18
Abr 12

EDP Renováveis: produção aumenta 18% num ano

A EDP Renováveis (EDPR) aumentou a produção de eletricidade em 18 por cento, para 5,2 TWh, no primeiro trimestre de 2012 em relação ao mesmo período do ano passado, o que se explica pelo aumento da capacidade instalada e ao crescimento nos EUA.

«Os EUA foram o principal motor de crescimento ao registarem um aumento na produção de 16 por cento, para 3,1 TWh, em relação ao período homólogo», explica a empresa do grupo EDP em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). 

Na Europa, a produção da EDPR aumentou seis por cento, devido ao crescimento na Europa Central e de Leste, enquanto em Portugal houve uma quebra na produção, de 21 por cento em relação ao período homólogo, devido «ao fraco recurso eólico». 

Já em Espanha, nos primeiros três meses de 2012, a produção subiu quatro por cento devido à maior capacidade instalada em relação ao ano anterior. 

A empresa liderada por Manso Neto destacou ainda a produção no Brasil, que cresceu «mais de oito vezes» em relação ao período homólogo, com a entrada em operação de 70 MW em maio de 2011. 

«No trimestre, a EDPR alcançou um fator de utilização de 34 por cento, um valor de destaque na indústria, evidenciando a elevada qualidade dos seus parques eólicos e capturando os benefícios de uma carteira diversificada de ativos», realçou no anúncio ao mercado. 

De todos os mercados, foi nos EUA que a EDPR alcançou um fator de utilização mais elevado, de 41 por cento, mais seis por cento do que no mesmo período de 2011. 

No final de março de 2012, a EDPR geria uma carteira de ativos de 7,5GW de capacidade onshore em oito países e tinha em construção 500 MW.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:42 | comentar | favorito